sexta-feira, 17 de julho de 2009

Eu, vou sentar-me à beira do mar.

Vem sentar-te comigo Lídia, à beira do rio.
Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos
Que a vida passa, e nao estamos de maos enlaçadas.
(Enlacemos as maos.)

Depois pensemos, crianças adultas, que a vida
Passa e nao fica, nada deixa e nunca regressa,
Vai para um mar muito longe, para ao pé do Fado,
Mais longe que os deuses.

Desenlacemos as maos, porque nao vale a pena cansarmo-nos.
Quer gozemos, quer nao gozemos, passamos como o rio.
Mais vale saber passar silenciosamente
E sem desassosegos grandes.

Sem amores, nem ódios, nem paixoes que levantam a voz,
Nem invejas que dao movimento demais aos olhos,
Nem cuidados, porque se os tivesse o rio sempre correria,
E sempre iria ter ao mar.

Amemo-nos tranquilamente, pensando que podiamos,
Se quiséssemos, trocar beijos e abraços e carícias,
Mas que mais vale estarmos sentados ao pé um do outro
Ouvindo correr o rio e vendo-o.

Colhamos flores, pega tu nelas e deixa-as
No colo, e que o seu perfume suavize o momento -
Este momento em que sossegadamente nao cremos em nada,
Pagaos inocentes da decadencia.

Ao menos, se for sombra antes, lembrar-te-as de mim depois
sem que a minha lembrança te arda ou te fira ou te mova,
Porque nunca enlaçamos as maos, nem nos beijamos
Nem fomos mais do que crianças.

E se antes do que eu levares o óbolo ao barqueiro sombrio,
Eu nada terei que sofrer ao lembrar-me de ti.
Ser-me-ás suave à memória lembrando-te assim - à beira-rio,
Pagã triste e com flores no regaço.

Ricardo Reis

quarta-feira, 15 de julho de 2009

BOA OBAMA!!



"O presidente norte-americano Barack Obama informou hoje o Congresso de que irá suspender, a partir de 1 de Agosto e pelo período de seis meses, a aplicação da lei Helms-Burton – que desde 1996 impõe duras sanções a Cuba."
in: Sol Online

terça-feira, 14 de julho de 2009

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Bom fim-de-semana



Hoje vou contar uma história (de fim-de-semana) que ouvi há muito tempo, contada por um amiguinho que na altura tinha uns 5 ou 6 aninhos (e hoje é maior que eu…) o Lucas. Claro que quando a criança contava esta história nós nos riamos muito sobretudo porque ele não fazia ideia do que dizia, e ele insistia em contar esta história porque nós nos riamos muito…

A história das 3 fadas
Era uma vez uma Prinçusa que vivia muito suzinha no seu castalho.

Um dia, conheceu um Pinçuso que vivia ali num castalho próximo, enviou-lhe um convite para que este a visitasse e pusesse cobro à sua tremenda solidão.

O Prinçuso que vivia também em grande isolamento, aceitou com agrado o convite da Prinçusa e preparou-se a si e à sua montada para tão desejada visita.

Numa bela manhã, montou então o seu cavalo e cavinhou, cavinhou, cavinhou, pelas estradas da florista ao encontro de tão nobre Dunzela.

Chegado ao castalho, o Prinçuso encontrou aí um bando de malfeitores que aprisionavam a sua Pinçusa numa das turres do seu castalho.

Empunhado a sua espada e lutou com bravura, contra esses temidos malfeitores, eliminando um após outro até ter o derradeiro combate, que acabou por vencer, perante admiração geral de todos os presente.

Então, subiu à turre, arrombou a purta da cela da sua Dunzela e correu para a sua beira lançando-lhe o seu sedutor olhar.

Derrotado que foi o inimigo, sua Prinçusa lançou-se então em seus braços, elogiando o destemido Princuso com gestos amorosos de eterna gratidão.

O Prinçuso, não resistindo à sensualidade de sua Dunzela, deitou-a no leito e num gesto de amor e paixão deu-lhe 3 fadas.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

"...et moi ralé!"



Crise, qual crise? O CR9 está cada vez mais rico!
Gripe, qual gripe? O homem morreu foi por causa das plásticas!
Vocês fazem cada confusão, por amor da santa!

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Viva Hoje!


Morre lentamente
Quem não viaja,
Quem não lê,
Quem não ouve música,
Quem não encontra graça em si mesmo
Morre lentamente
Quem destrói seu amor próprio,
Quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente
Quem se transforma em escravo do hábito
Repetindo todos os dias os mesmos trajeto,
Quem não muda de marca,
Não se arrisca a vestir uma nova cor ou
Não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente
Quem evita uma paixão e seu redemoinho de emoções,
Justamente as que resgatam o brilho dos
Olhos e os corações aos tropeços.
Morre lentamente
Quem não vira a mesa quando está infeliz
Com o seu trabalho, ou amor,
Quem não arrisca o certo pelo incerto
Para ir atrás de um sonho,
Quem não se permite, pelo menos uma vez na vida,
Fugir dos conselhos sensatos...
Viva hoje !
Arrisque hoje !
Faça hoje !
Não se deixe morrer lentamente !

(Pablo Neruda)

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Colete Encarnado



Nas ruas ouve-se música desta...
Se forem a Vila Fresca, nome verdadeiro Vila Franca de Xira, não sei nem quando, nem porque é que lhe chamo assim!? Mas dizia eu, se forem a Vila Fresca este fim-de-semana vão assistir à Festa do Colete Encarnado, uma festa de homenagem ao campino. Festa de 3 dias com largada de toiros,espectáculos de musica, sobretudo folclore e muita, mas muita sardinha assada e vinho tinto. Espreitem o programa aqui